O sonho reavivado de ter um Estádio na Gávea continua pulsante. Após a aprovação do contrato entre Flamengo e Consórcio Maracanã S.A. no início deste mês, as partes deram o pontapé em estudos preliminares para saber se há viabilidade da construção de um estádio na sede do clube. A previsão é de que o estudo seja finalizado até o fim deste ano. A partir daí, o clube teria a tarefa de convencer a prefeitura e o Governo do Rio de Janeiro para tirar a empreitada do papel, com apoio da Odebrecht, responsável por 90% de participação no Consórcio Maracanã S.A.

“O que está no contrato, que nem foi assinado ainda, é que tanto Flamengo quanto o Consórcio vão fazer os melhores esforços para que, num contrato definitivo, seja tratada essa questão de investimento na Gávea. Não existe compromisso de que o estádio vai acontecer. O compromisso é de que vamos estudar isso durante o ano de 2014. Estudar se é viável. A cláusula diz que se caso for viável vamos implementar um estádio, uma arena na Gávea. Temos de apurar a viabilidade disso”, afirmou o presidente Eduardo Bandeira de Mello.

A ideia é de ter um estádio com capacidade em torno de 15 mil e redesenhar a arquitetura do estádio, tornando-o moderno. Assentos vips estão no projeto, assim como restaurantes também de luxo com vista para o campo e para a Lagoa Rodrigo de Freitas. Jogos de menor porte seriam disputados no novo Estádio da Gávea. Mas os planos da diretoria para a sede do clube vão além e contemplam também os esportes olímpicos.

Em parceria com a cadeia norte-americana de fast food McDonald´s, o clube tem conversas adiantadas para construir uma arena poliesportiva na Gávea, com capacidade para 13 mil pessoas. Internamente, os dirigentes vêem o processo em bom andamento, mas reconhecem que ele é, também, longo. Por isso, não estipulam previsão. A arena, climatizada, abrigaria partidas de esportes como basquete, vôlei e futsal e ocuparia um espaço que era destinado a um posto de gasolina e, atualmente, é destinado a um estacionamento.

“Acho possível ter uma arena na Gávea que possa servir para jogos de basquete, futebol de salão vôlei e jogos de futebol de menor apelo também. Hoje com o desenvolvimento da arquitetura brasileira tudo é possível. É um local privilegiado, com duas estações de metrô. De qualquer maneira, mais cedo ou mais tarde vamos ter alguma coisa muito boa na Gávea. Não sei o que vai ser”, despistou Eduardo Bandeira de Mello.

Fonte: ESPN Brasil