Um terço do orçamento rubro-negro de 2014 servirá para pagar dívidas e impostos. Clube prevê arrecadar R$ 300 milhões no ano, o que seria um recorde

Quem vê um Flamengo tímido no mercado de transferências, mesmo às vésperas de retornar à Libertadores, pode estranhar. No entanto, a aparente falta de poderio é, segundo a diretoria, reflexo da realidade projetada para 2014. O ano rubro-negro aponta para um paradoxo: enquanto é previsto um recorde de arrecadação, a temporada será a de maior peso para o clube no pagamento de impostos atrasados e correntes, além de acordos cíveis e trabalhistas envolvendo dívidas.

O Flamengo trabalha com uma projeção de arrecadar mais de R$ 300 milhões em 2014. O número parece animador, já que representa quase 50% de aumento em relação a 2013. Mas os impostos e dívidas prometem consumir mais da metade. O orçamento aponta para o pagamento de cerca de R$ 100 milhões entre impostos atrasados e correntes. As parcelas das dívidas tributárias precisam ser pagas para evitar o risco de perda das Certidões Negativas de Débito. Além disso, são previstos gastos de R$ 56 milhões com acordos em torno de dívidas com prestadores de serviços e ex-funcionários.
Folha do futebol sobe 30%

O aumento de receita se origina, basicamente, do projeto de Sócio Torcedor, que pretende arrecadar R$ 40 milhões em 2014, e de projetos de captação de recursos via incentivos fiscais. Há, ainda, uma cota de patrocínio para a manga do uniforme que não foi preenchida. Mesmo com o peso das dívidas, a expectativa é ampliar o orçamento do futebol em cerca de 30%.

— O que sobra é para pagar a folha salarial de todo o clube, é muito apertado. O aumento das receitas é substancial, mas o passado ainda nos condena. Nas minhas contas, o peso deste passado dura uns seis anos, mas atinge o ápice em 2014 — alerta Rodrigo Tostes, vice-presidente de finanças do Flamengo. — Em 2015, os acordos de dívidas que hoje somam R$ 56 milhões diminuem drasticamente e nem vão existir em 2016, quando já trabalharemos com sobra de caixa.

Diante do orçamento elevado, mas de uma disponibilidade de dinheiro escassa, Tostes defende mudanças de processos no clube. Em especial a tomada de decisões no mercado de jogadores. Segundo ele, um ativo de R$ 300 milhões não pode ser “colocado na mão de uma ou duas pessoas”. No caso, o vice de futebol Wallim Vasconcelos e o diretor executivo, Paulo Pelaipe.

— É dinheiro demais para que uma só pessoa tome todas as decisões. Um ou dois caras não podem, sozinhos, decidir pagar R$ 600, 700 mil ou 1 milhão a um jogador. Num clube, para vender uma caneta, uma lixeira, tem que convocar o Conselho Deliberativo. Mas para pagar R$ 1 milhão a um jogador um só cara pode decidir. Em termos de governança, está errado — diz Tostes. — Colocar tudo na mão de vice de futebol, do diretor de futebol, é ruim para o cara. Ele não pode, sozinho, ser responsável pelo sucesso de um jogador ou o fracasso de outro. É poder demais.
Tostes explica como imagina que o novo processo de decisões deva funcionar.

— O futebol identifica as necessidades, as carências. E apresenta uma lista de nomes no mercado. O jurídico deve ter um modelo de contrato, que pode ter pequenas alterações negociadas. Junto com o financeiro, identifica-se a quantidade de recursos, senta-se também com o marketing e se avalia se receita e despesa estão batendo, se é possível cumprir aquele contrato — diz Tostes. — É preciso discutir porque pagar 400 e não 300, o critério, ter discussão e aprovação. O desafio é não perder agilidade. E o futebol ser avisado pelo financeiro do seguinte: quer pagar R$ 1 milhão por esse cara, este dinheiro vai sair desta continha aqui. Se tem R$ 2 milhões disponíveis, vai sobrar só R$ 1 milhão para o resto das carências do elenco.

Fonte: Lancepress!